domingo, 17 de dezembro de 2017

#Exóticas nos Açores (IV): Tapete-inglês (Polygonum capitatum)



Tapete-inglês (Polygonum capitatum Buch.-Ham. ex D.Don)
Planta perene (tipo biológico: hemicriptófito) da família Polygonaceae.
Distribuição: é originária dos Himalaias e do Leste da Ásia. Planta com interesse ornamental foi introduzida e encontra-se naturalizada noutras partes do mundo, incluindo em Portugal (Continente, e arquipélagos dos Açores e da Madeira). Nos Açores e designadamente em duas ilhas que visitei recentemente - Pico e S. Jorge - a planta é não só muito comum, como revela ter características para se comportar como a planta invasora.
Ecologia/habitat: taludes e bermas de estradas e caminhos, muros e pastagens, em locais húmidos, a altitudes (nos Açores) até a 800m.
Floração: ao longo do ano, com maior intensidade de Março a Setembro.
(Local e data: Ilha de S. Jorge; 23 - Julho - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Pastinaca sativa subsp. sylvestris

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

(8)

(9)

(10)

(11)

(12)
Pastinaca sativa subsp. sylvestris (Mill.) Rouy & E.G. Camus
Uma novidade para a flora portuguesa e, pelo menos aparentemente, também uma raridade, visto que, em território português, por ora, apenas é conhecida uma população com algumas (poucas) dezenas de exemplares. Trata-se de uma planta bienal, densamente pilosa, com caules estriados, erectos, ramificados que podem atingir 2 metros de altura; folhas penatissectas (1 ou 2 vezes) com 5 a 11 folíolos, frequentemente lobados; flores com pétalas amarelas com o ápice encurvado, agrupadas em inflorescências em umbela com 5 a 20 raios com comprimento desigual.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família; Apiaceae / Umbelliferae;
Distribuição: Originária da região eurosiberiana, é considerada actualmente como cosmopolita quanto à distribuição.
Ecologia/habitat: como planta ruderal, que é, pode encontrar-se em valetas, bermas de estradas  e caminhos, nas margens de cursos de água e na proximidade de hortas, a altitudes até 1600m.
Floração: de Julho a Outubro.
[Local e datas: Serra de Malcata (Sabugal); 20 - Junho - 2014 (fotos 7 e 8); 20 - Julho - 2015 (Fotos 5 e 10); 11 - Setembro -2015 (Fotos restantes)]

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Abundância (Ageratina adenophora)

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)
(8)

(9)
Abundância * [Ageratina adenophora (Spreng.) R. M. King & H. Rob.**]
Planta perene com caules glandular-pubescentes, muito ramificados, que podem atingir até 2 metros de altura; folhas opostas, triangulares ou ovado-rômbicas, pecioladas, crenado-serradas, acuminadas; flores brancas ou rosadas agrupadas em capítulos densos; frutos constituídos por cipselas pretas com papilho branco (cfr. foto 7 supra) 
Tipo biológico: hemicriptófito.
Família: Asteraceae/ Compositae.
Distribuição: Originária do México, é considerada actualmente como planta cosmopolita quanto à distribuição, visto que se encontra naturalizada em todos os continentes do globo, onde foi sido introduzida devido, suponho, ao facto de se tratar de uma espécie com valor ornamental. Tem o estatuto de planta invasora em vários países, quer na Europa, quer noutros continentes, pois expande-se muito facilmente, quer através de sementes que produz com muita abundância, quer por via vegetativa. Está também naturalizada em Portugal, estando presente, quer no Continente, onde aparentemente não tem grande expansão, mas também no arquipélago da Madeira e, sobretudo, no arquipélago dos Açores, onde revela comportamento invasor.
Ecologia/habitat: margens de cursos de água, áreas perturbadas; taludes e bermas de estradas e caminhos.
Floração: de Março a Julho.
*Outros nomes comuns: Inça-muito ou Milho-cozido;
**Sinonímia:Eupatorium adenophorum Spreng. (Basónimo)
[Locais e datas: Serra de Monchique (Algarve); 10 - Março - 2016 (fotos 4 e 8); 23 - Maio - 2016 (fotos 5 e 6); 10 - Março - 2017 (foto 9); Minas de S. Domingos (Baixo Alentejo);  5 - Abril - 2017 (fotos 1, 2 e 3): Cova da Piedade (Almada), 24 - Abril - 2017 (foto 8)].
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Orlaya daucoides



Orlaya daucoides (L.) Greuter *
Erva anual, com caules estriados, ramificados desde a base, com 10 a 45 cm; folhas multipenatissectas (2 ou 3 vezes); flores hermafroditas e masculinas - 2 ou 3 daquelas em cada umbélula, as restantes masculinas - umas e outras com pétalas brancas ou rosadas, mostrando-se as externas das flores exteriores da umbélula muito maiores do que as restantes, agrupadas em inflorescências terminais sob a forma de umbelas compostas com 2 a 4 raios.
Tipo biológico: terófito;
Família: Apiaceae/Umbelliferae;
Distribuição: Região Mediterrânica; Cáucaso; Azerbaijão e norte do Irão e do Iraque. Em Portugal, onde aparentemente a espécie não será muito comum, é dada como presente no Algarve, Alto e Baixo Alentejo, Estremadura, Ribatejo e Beira Litoral.
Ecologia/habitat: terrenos de pastagem; campos cultivados e em pousio, geralmente em solos  básicos, a altitudes até 1400m.
Floração: de Março a Maio.
* Sinonímia: Caucalis daucoides L. (Basónimo)
[Local e data: Paderne (Algarve); 21 - Março - 2013]
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 2 de dezembro de 2017

Piorro (Juniperus navicularis)







Piorro ou Zimbro (Juniperus navicularis Gand.)
Arbusto com copa densa que pode atingir cerca de 2 metros de altura; folhas pequenas (com 4-12 x 1-1,5 mm.) agudas apresentando na face superior 2 faixas brancas paralelas, mas convergentes no ápice; fruto (gálbulo) globoso, avermelhado ou amarelado, vermelho vivo na maturação.
Tipo biológico: fanerófito;
Família: Cupressaceae
Distribuição: Endemismo ibérico, circunscrito em Portugal às regiões em redor da Península de Setúbal e do Estuário do Sado, com prolongamento ao longo do litoral até ao Sudoeste Alentejano (Ribatejo, Estremadura e Baixo Alentejo) e em Espanha a "alguns núcleos isolados no sudoeste e sul" (fonte). 
Ecologia/habitat: terrenos arenosos, sob coberto de matagais ou pinhais, em regiões próximas do litoral, a altitudes até 80m.
Floração: Março/Abril.
(Local e data: Melides (Grândola); 19 - Novembro - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Erica erigena

 








Erica erigena R.Ross
Arbusto com caules que podem elevar-se até cerca de 3m; folhas glabras, lustrosas, linear-lanceoladas, com margens revolutas (a ponto de só permitirem ver, pelo envés, uma linha esbranquiçada) dispostas em verticilos de quatro; flores com corola tubular ovóide, de cor rosa ou lilás, agrupadas em inflorescências racemiformes, em geral, unilaterais.
Tipo biológico: fanerófito:
Família: Ericaceae;
Distribuição: Irlanda; Sudoeste de França; e Península Ibérica. Em Portugal considera-se existente no Algarve, Baixo Alentejo, Beira Baixa, Estremadura, Ribatejo e Beira Litoral e supostamente também no Douro Litoral.
Ecologia/habitat: "Urzais e outros matos húmidos em brejos, orlas de bosques e matagais. Em solos arenosos húmidos ou turfosos, principalmente na zona litoral." (fonte)
Floração: de Novembro a Dezembro e de Janeiro a Abril:
[Local e data: Fernão Ferro (Seixal); 27 - Novembro - 2017]

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Salva-esclareia (Salvia sclarea)


(1)

 
 (2)

 
(3)

(4)

(5)

(6)
Salva-esclareia (Salvia sclarea L.)
Erva perene com caules ramificados, erectos, hirsutos, com 30 a 150cm; folhas pecioladas com limbo ovado, ou ovado-oblongo, com superfície algo rugosa, com indumento denso e com margens dentadas ou crenadas; flores com corola bilabiada de cor lilás, azul-pálido ou violeta (protegidas por grandes brácteas coloridas) agrupadas (3 a 6) em verticilos dispostos ao longo dos braços da inflorescência, por norma, ramificada.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Lamiaceae/Labiatae;
Distribuição: nativa da Região Mediterrânica e da Ásia Central, introduzida e cultivada noutras regiões para fins ornamentais e para extracção de um óleo essencial (sclareol) que é utilizado em perfumaria e  no fabrico de medicamentos.
Em Portugal ocorre apenas em Trás-os-Montes, não havendo, no entanto, a certeza sobre se se trata de uma espécie autóctone, dúvida que, todavia, não é partilhada pela Flora Iberica.
Ecologia/habitat:  taludes, bermas de estradas e caminhos, campos em pousio; pastagens nitrófilas, a altitudes desde 100 a 1100m.
Floração: de Junho a Julho.
[Local e datas: Vinhais (Trás- os-Montes); 26- Junho - 2015 (fotos 1, 4 e 6); 18 - Junho - 2017 (fotos restantes)]

sábado, 25 de novembro de 2017

Ferulago capillaris



 
  



 Ferulago capillaris (Link ex Spreng.) Cout. *
Erva perene, glabra, com caules estriados com 60 a 160 cm; folhas multipenatissectas (4 a 6 vezes, as basais; 2 a 4 vezes, as superiores), com segmentos de última ordem lineares ou linear-lanceolados; flores amarelas com 2 a 3 mm de diâmetro, agrupadas em umbelas terminais, tendo a principal 20 a 45 raios.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Apiaceae/Umbelliferae;
Distribuição: endemismo ibérico, com ocorrência limitada ao Centro e ao Centro Oeste da Península Ibérica. Em Portugal Continental encontra-se apenas na Beira Alta, Minho e Trás-os-Montes.
Ecologia/habitat: orlas e clareiras de bosques de carvalhos, sobreiros e azinheiras, a altitudes desde 300 a 1400m- Espécie silicícola.
Floração: de Junho a Agosto.
*Sinonímia: Ferula capillaris Link ex Spreng. (Basónimo).
(Local e data: Trás-os-Montes; 16 - Junho - 2017)